terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Por trás...

Tem cheiro de mim nas tuas roupas
E de luz apagada tu me enxergas
Não me devolvas o que eu não quero aceitar
Mas joga fora aquilo que não é mais teu
Por conta e risco tu guardas esse tesouro
Um matadouro de todas as esperanças
Nem cheiro meu nem cheiro teu nas tuas roupas
É coisa una.

Tem cheiro de ti nas minhas roupas
De luz acesa vejo o nada que me cerca
Não jogo fora o que eu quero guardar
Mas eu devolvo aquilo que não é meu
Por conta e risco eu queimo mais um tesouro
Um só berçário para novas esperanças
Nem cheiro teu nem cheiro meu nas minhas roupas
É coisa una.

Tem cheiro de fim em toda roupa
E na meia-luz nada daqui se leva
Não se devolve aquilo que degenera
Mas se põe fora o que já envelheceu
Por conta e risco se guarda feito tesouro
Um relicário ávido por lembranças
Nem cheiro meu nem cheiro teu em qualquer roupa
Nem coisa alguma.



***



Revirando o passado.

3 comentários:

Folhasolta disse...

É coisa una, nem coisa alguma.

Adorei isso.

Faltou um espaço pra cabelos na roupa.

Se bem que não pareçam tão poéticos.

Embora nem sempre.

hAUIOEHIUOehuioIUAE

=***

ps. não uso mais esse blog ><

brunette disse...

em portugueiz?

Thyciano Faria disse...

Tem cheiro de Josie nesses versos.